Primeira semana de Biden no poder será focada na pandemia

Empossado na tarde desta quarta-feira (20), o presidente norte-americano Joe Biden assinou 17 ordens executivas – muitas delas direcionadas para o combate à pandemia de Covid-19, sua prioridade. Várias das decisões interrompem ou desfazem decretos do seu antecessor, o republicano Donald Trump. “Vou começar mantendo as promessas que fiz ao povo americano”, afirmou o democrata no Salão Oval.

Na “canetada”, Biden impôs o uso de máscaras em prédios federais e suspendeu a saída do país da Organização Mundial de Saúde (OMS). Outras ordens executivas ainda pausaram o financiamento para a construção do muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México, reverteram a proibição da entrada de viajantes (que visava especialmente países muçulmanos) e a saída do país do acordo climático de Paris.

O presidente ainda criou uma coordenação para os esforços de combate à Covid-19, que supervisionará a distribuição de vacinas e suprimentos médicos. Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas do país, representará os EUA na reunião do conselho executivo da OMS nesta quinta-feira (21).

Adam Schultz / Biden for President

Joe Biden e sua vice, Kamala Harris. Imagem: Adam Schultz/Biden for President

“Seguiremos em frente com velocidade e urgência, pois temos muito a fazer neste tempo de perigos e possibilidades”, disse Biden em seu discurso. “Poucos períodos na história de nossa nação foram mais desafiadores ou difíceis do que aquele em que estamos agora”, completou o presidente, que estipulou como meta aplicar 100 milhões de vacinas em 100 dias.

Mudança nos rumos

Biden ainda autorizou medidas para restaurar os direitos de negociação coletiva dos funcionários federais e ações dirigidas ao bem-estar social, incluindo programas de saúde pública e seguro-desemprego. O presidente ainda planeja pedir ao Departamento de Educação que considere a extensão do congelamento dos pagamentos de juros para empréstimos a estudantes até 30 de setembro – tudo para mitigar os efeitos da Covid-19 na economia.

Moratórias de execução para hipotecas apoiadas pelo governo federal também serão estendidas até pelo menos o final de março. Biden contará com a ajuda do Congresso (de maioria democrata) para aprovar seu pacote de ajuda, que distribuirá US$ 1.400 adicionais para milhões de norte-americanos.

Joe Biden tomou posse nesta quarta-feira (20) como o 46º Presidente dos Estados Unidos. Imagem: Adam Schultz / Biden for President

Na área de imigração, o presidente dará continuidade a uma iniciativa da Era Obama que protege os “dreamers” (filhos de imigrantes ilegais que nasceram nos EUA) da deportação. Biden também irá reverter um plano de Trump para excluir imigrantes ilegais do Censo. A contagem é usada para determinar quantos assentos no Congresso e votos do Colégio Eleitoral cada estado obtém, bem como a distribuição de US$ 1,5 trilhão em gastos federais a cada ano.

Em relação ao clima, o presidente revogará a licença emitida pelo governo Trump que permitia a construção do oleoduto Keystone XL, que atravessa os pântanos de Nebraska e o aquífero Ogallala, uma das maiores reservas de água doce do mundo.  Novas ações de combate a mudança climática serão anunciadas no próximo dia 27.

 

 

 

 

Fonte: https://olhardigital.com.br/2021/01/20/noticias/em-seu-1o-dia-biden-assina-decretos-para-reverter-ordens-de-trump/

Deixe seu comentário