Estudantes criam bateria ‘chiclete’ mais resistente que uma convencional

Estudantes da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, desenvolveram um novo tipo de bateria flexível que se parece com um chiclete. Formada por um eletrólito feito de plástico, a bateria é capaz de ser “espremida, dobrada e esticada até quase o dobro do seu comprimento original”, sem sofrer alterações em seu funcionamento, além de ser menos inflamável por não possuir componentes fluidos sujeitos a vazamentos.

Zhenan Bao, David Mackanic e Yi Cui foram os responsáveis pela nova tecnologia. Agora, a expectativa dos estudantes é de que sua criação seja aplicada majoritariamente em wearables e roupas, produtos que também se adaptam ao formato dos corpos dos usuários, ou conectados a monitores de frequência cardíaca, entre outros sensores médicos que necessitem de energia e flexibilidade. “Até agora, não tínhamos uma fonte de energia que pudesse se esticar e dobrar da maneira que nossos corpos fazem, para que possamos projetar eletrônicos que as pessoas possam usar confortavelmente”, explicaram.

Por enquanto, o protótipo é do tamanho da unha de um dedo polegar e possui apenas metade da capacidade de uma bateria convencional com as mesmas proporções. Segundo Mackanic, pode levar de 12 a 18 meses até que a nova bateria seja fornecida aos fabricantes como um produto completamente vantajoso, finalizado, certificado, seguro e apto a ser produzido em larga escala.

 

 

 

 

Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/estudantes-criam-bateria-chiclete-mais-resistente-que-uma-convencional/96159