DNA de Tardígrados pode ajudar humanos a sobreviver no espaço

Novos estudos estão investigando como ferramentas como a edição de genes podem tornar os seres humanos capazes de viajar mais longe no espaço. Uma das principais preocupações de saúde com as viagens espaciais é a exposição à radiação. Se, por exemplo, os cientistas pudessem descobrir uma maneira de tornar as células humanas mais resistentes aos efeitos da radiação, os astronautas poderiam permanecer mais saudáveis por longos períodos no espaço.

Teoricamente, esse tipo de tecnologia também pode ser usado para combater os efeitos da radiação nas células saudáveis durante os tratamentos contra o câncer na Terra, observa Chris Mason, geneticista e professor associado de fisiologia e biofísica na Universidade Weill Cornell, em Nova York.

No entanto, a ideia de mexer com genes humanos é controversa. Mas Mason enfatizou que provavelmente haverá décadas de pesquisa antes que esse tipo de ciência seja aplicada aos seres humanos.

“Não tenho planos de “projetar” astronautas nas próximas uma ou duas décadas”, disse Mason. “Mas se tivermos mais 20 anos de descobertas, mapeamento e validação funcional do que sabemos, espero que até lá possamos estar no estágio em que poderemos fazer um humano que poderia sobreviver melhor em Marte “.

Mas o que significa projetar geneticamente uma pessoa para sobreviver melhor no espaço ou em outro planeta? Existem várias abordagens possíveis. Uma maneira pela qual os cientistas podem alterar futuros astronautas é através da engenharia epigenética, o que significa essencialmente que eles “ativariam ou desativariam” a expressão de genes específicos, explicou Mason.

Alternativamente, e ainda mais estranhamente, esses pesquisadores estão explorando como combinar o DNA de outras espécies, mais especificamente os tardígrados, com células humanas para torná-las mais resistentes aos efeitos nocivos dos voos espaciais, como a radiação.

Esse conceito foi explorado em um artigo de 2016, e Mason e sua equipe pretendem desenvolver essa pesquisa para ver se, usando o DNA dos ultra resistentes tardígrados, seria possível proteger os astronautas dos efeitos nocivos dos voos espaciais.

A edição genética de seres humanos para viagens espaciais provavelmente faria parte de mudanças naturais na fisiologia humana que poderiam ocorrer depois de viver em Marte por vários anos, disse Mason. “Não é uma questão de se evoluímos; é quando evoluímos”, acrescentou.

Embora sejam esperadas mudanças no corpo humano à medida que nossa espécie se expande para fora da Terra, há uma maneira de fazer essa ciência com responsabilidade, disse Mason. “Em termos de liberdade, você está planejando que [um futuro humano] tenha muito mais oportunidades”, disse ele. “Mas se soubéssemos que, de alguma forma, quando decidimos tentar provar a capacidade dos seres humanos viverem além da Terra e tiramos a capacidade deles de viver na Terra, acho que seria injusto”.

A engenharia genética dos seres humanos pode ser ética se tornar as pessoas mais capazes de habitar Marte com segurança, sem interferir em sua capacidade de viver na Terra, disse Mason.

 

 

 

 

Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/dna-de-tardigrados-pode-ajudar-humanos-a-sobreviver-no-espaco/92703

Deixe seu comentário