Como nadar com botos na Amazônia ajudou menino sem braços

Leonardo Souza, de 21 anos, nasceu sem os braços e com pernas de comprimentos diferentes.

Nadar com botos na Amazônia deu a ele um novo senso de independência.

Antes de começar a fazer isso, aos 7 anos, ele precisava ser carregado no colo.

Desde então, passou a andar. Também passou na prova da auto-escola.

“Rapaz, foi uma sensação de que ninguém me segurava mais. Sou habilitado. Posso ir aonde quiser no território nacional”, diz Leonardo.

Ele é um dos alunos de Igor Simões, que oferece a bototerapia desde 2005.

“A gente trabalhou com o Leo nadar como golfinho. De tanto imitar o boto, uma hora ele levantou e ficou em pé sozinho e pensou: ‘Pô, isso é fácil’. Aí ele foi se fortalecendo e não caiu mais”, diz Simões.

Ele já trabalhou com cerca de 600 crianças, muitas delas portadoras de deficiência como Leonardo.

“Para um cadeirante, é maravilho, porque ele estica as pernas”, diz Simões.

“Na interação com os botos, eles veem uma coisa diferente. Vejo se o olho deles está brilhando. Se estiver, eu fiz alguma coisa (para ajudar).”

Leonardo diz que considera os botos mais do que seus amigos. “Vou passear com eles, a gente brinca de bola e tudo. Nossa relação é de irmãos. Eles sempre me ajudaram, né?”

A mãe de Leonardo diz que ele costumava ficar bastante nervoso, mas se acalmou após começar a bototerapia, além de ter desenvolvido suas capacidades motoras.

“O Leo é o orgulho da nossa família. É um exemplo de vida, de superação”, diz Cleonice de Souza.

 

 

 

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/geral-50007330

Deixe seu comentário