Realme X tem câmera retrátil, preço baixo e quer o mercado da Xiaomi (principalmente o Pocophone)

O destaque da Realme é a viabilidade econômica: a fabricante ultrapassa regularmente a Xiaomi nesse quesito, permitindo que aparelhos como o Realme 3 Pro supere o Redmi Note 7 Pro.

A maioria das fabricantes chinesas deslancha no mercado de origem e depois elas miram outras regiões conforme vão crescendo. A Realme, companhia subsidiária da gigante chinesa Oppo, resolveu fazer as coisas da maneira inversa: a marca estreou na Índia há menos de um ano, e já conseguiu atrair uma fração considerável do mercado local em um curto período.

O destaque da Realme é a viabilidade econômica: a fabricante ultrapassa regularmente a Xiaomi nesse quesito, permitindo que aparelhos como o Realme 3 Pro supere o Redmi Note 7 Pro. E com a enorme projeção que vem ganhando na Índia, a fabricante vai se lançar agora ao mercado chinês. O seu modelo mais recente, o Realme X, foi projetado para atingir uma clientela mais jovem, uma vez que a média de idade dos seus usuários, segundo a companhia, é de 30 anos.

O novo Realme X não foge à tendência das fabricantes chinesas de investir em câmeras mecanizadas.  Nos últimos doze meses, essas empresas focaram no oferecimento de telefones com telas frontais limpas e a câmera retrátil foi a principal solução encontrada – muitos celulares de porte médio a serem lançados neste ano terão uma. Com o Realme X não é diferente: ele contém uma câmera traseira de 48MP e uma câmera frontal retrátil, o que confere um design arrojado ao aparelho.

Realme X quer superar o Pocophone na linha intermediária

O Realme X tem uma tela FHD+ AMOLED de 6.53 polegadas. Ele vem também com um sensor de impressão digital interno no painel, e a Realme garante que o módulo em si é mais veloz e mais confiável que os sensores de primeira geração do ano passado.

O aparelho possui processador Snapdragon 710, câmera traseira de 48MP com sensor Sony IMX 586, e uma câmera frontal de 16MP. Ele ainda é equipado de uma bateria de 3.750 mAh e 8GB de RAM, com 128GB de armazenamento interno.

Há também um Realme X Lite que compartilha muitas características do aparelho-mãe, mas com um recorte de “waterdrop” na parte da frente. Ele possui uma tela de 6.3 polegadas, processador Snapdragon 710, 6GB de RAM, 128GB de armazenamento e uma bateria de 4.045 mAh. A câmera principal traz sensor Sony IMX 519 de 16MP e a lente frontal é de 25MP. A Realme afirma que a bateria do telefone pode ser carregada em até 60% em menos de uma hora, mesmo com a tela acesa.

Reprodução

O Realme X Lite está programado para ser vendido na China por US$ 175 (R$ 700) para a versão com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento; US$ 190 (R$ 760) para o modelo de 6 GB/64 GB e US$ 220 (R$ 880) para o aparelho padrão.

Enquanto isso, o Realme X estará à venda por US$ 220 (R$ 880) para a opção de 4GB/64GB, US$ 235 (R$ 940) pela edição de 6GB/64GB e US$ 260 (R$ 1.040) pelo modelo de 8GB/128GB. As vendas começam no dia 20 de maio na China e o aparelho chegará a outros mercados asiáticos – incluindo a Índia – em breve.

 

 

 

 

Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/realme-x-tem-camera-retratil-preco-baixo-e-quer-o-mercado-da-xiaomi-principalmente-o-pocophone/85824

Deixe seu comentário