A camisinha que se autolubrifica e pode reduzir contágio por doenças sexualmente transmissíveis

Com o objetivo de estimular o uso da camisinha, cientistas desenvolveram preservativos de látex que se autolubrificam quando em contato com fluidos corporais.

Além de promover maior conforto, dizem os pesquisadores, a inovação traria mais segurança aos usuários, já que a falta de lubrificação pode fazer com que a camisinha saia do lugar durante a relação.

Quando usada corretamente, a camisinha é um contraceptivo eficaz e protege contra doenças sexualmente transmissíveis – a questão é que nem todo mundo gosta de usá-la.

Em artigo publicado na revista acadêmica Royal Society Open Science, os autores dizem que esses problemas seriam resolvidos com o novo produto – cujo desenvolvimento foi patrocinado pela Melinda Gates Foundation, dedicada a pesquisas na área da saúde -, já que ele desliza melhor depois de entrar em contato com fluidos corporais.

A sensação maior de conforto, eles acrescentam, duraria até o fim da relação sexual.

Isso porque a camisinha é capaz de manter a textura por cerca de mil movimentos de penetração – em média, um ato sexual leva metade disso.

Outros preservativos, quando usados em conjunto com lubrificantes vendidos em embalagens, deslizam melhor no início, mas perdem a eficácia após 600 movimentos de penetração.

Um grupo de voluntários testou e deu notas às duas camisinhas, quanto à textura e deslizamento.

A maioria dos 33 homens e mulheres deu nota maior à camisinha que se autolubrifica.

“Não parece tão lubrificada quando você pega nela a seco, mas na presença de água e fluidos naturais, fica bem escorregadia. Só precisa de um pouco de fluido para ativar esse efeito”, afirma o pesquisador Mark Grinstaff, da Universidade de Boston.

Os cientistas dizem que mais testes serão necessários para comparar o desempenho da camisinha autolubrificante na “vida real”. Testes clínicos com casais devem começar no início do ano que vem, segundo Grinstaff.

Uma empresa ligada à Universidade de Boston planeja desenvolver o produto para venda comercial, mediante aprovação regulatória.

Conveniência

Nicola Irwin, da Queen’s University, em Belfast, na Irlanda do Norte, é especialista em materiais de saúde de alta tecnologia. Ela diz que revestimentos “hidrofílicos” similares têm sido usados em cateteres urinários, para ampliar o conforto.

“Esses cateteres revestidos são, em geral, associados com uma aceitação maior que os cateteres sem revestimento ou outros dispositivos lubrificados a gel”, afirmou Irwin, destacando que o cateter “hidrofílico” gera menor desconforto na inserção.

“É razoável esperar que as camisinhas com revestimento hidrofílico tragam benefícios semelhantes, mas precisamos de mais testes.”

Casal na cama

Enquanto isso, pesquisadores da Universidade de Wollongong, na Austrália, têm usado hidrogel firme para fazer camisinhas autolubrificantes, em vez de látex e borracha. O resultado é um preservativo com uma textura mais parecida com a pele.

“Nós damos boas-vindas a inovações que encorajam o uso de camisinha, que é o único método contraceptivo que também ajuda a proteger contra DSTs. Então é importante que as pessoas se sintam confiantes e confortáveis ao usá-la”, afirma Bekki Burbidge, da ONG FPA, voltada à saúde sexual.

“Lubrificação pode deixar o sexo mais confortável e proveitoso, então encorajamos que as pessoas a tentem diferentes tipos de lubrificantes à base de água, assim como diferentes tipos, tamanhos e texturas de camisinhas para encontrar as que melhor se adaptam elas a e que garantem maior prazer sexual.”

Erros comuns no uso de camisinhas

– Produtos à base de óleo, inclusive alguns cremes de mão, podem danificar camisinhas de látex – portanto, é importante evitá-los. Use lubrificantes à base de silicone ou água.

– Nunca reutilize uma camisinha

– Tenha cuidado ao guardar as camisinhas, porque elas podem ser facilmente danificadas, especialmente se mantidas na carteira, bolso ou bolsa.

– Cheque a data de validade

– Quando colocar uma camisinha, é importante apertar a ponta para se livrar de qualquer resquício de ar. Se você não fizer isso, o preservativo pode romper.

 

 

 

 

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45903646

Deixe seu comentário