Curso gratuito ensina a produzir perucas para pacientes com câncer em SP

No começo da manhã de uma quinta-feira, a professora Valéria Brito de Oliveira, de 53 anos, colocou uma roupa bonita e fez maquiagem profissional. Estava ansiosa. O compromisso estava marcado para às 9h30. O encontro nesta manhã era com sua prótese capilar, uma peruca feita especialmente para ela, do jeito que pediu: loira, lisa, e de cabelos curtos.

A peruca feita para Valéria – e para outras mulheres que perderam o cabelo no tratamento contra o câncer – foi confeccionada no Solidariedade em Fios, curso profissionalizante em Prótese Capilar. Gratuito, o curso tem parceria com o Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp).

No primeiro dia de aula, as pacientes conhecem as alunas do curso. Neste dia, já passam as referências de como irão querer as próteses. “Já que é para brincar, vou fazer totalmente diferente”, disse a secretária Jorgiléia Brito Nolasco, de 40 anos, que tinha o cabelo liso e castanho e pediu uma peruca de cabelos cacheados e cor púrpura. Mas tem também quem prefira exatamente como era o cabelo antes de cair, como Valéria.

Sobre os critérios de quais pacientes são escolhidas para receber as perucas, a gerente de humanização do Icesp, Maria Helena Sponton, disse que a prioridade são as que estão começando a quimioterapia. “É a primeira vez que perdem o cabelo e isso é um trauma terrível pra mulher”, disse Maria Helena.

Valéria Brito, de 53 anos, não se acostuma com a falta de cabelo e diz que não consegue tirar o turbante nem para dormir (Foto: Marcelo Brandt/G1)

A professora Valéria Brito disse que não tira o turbante nem para dormir, porque não se acostuma com a falta do cabelo. “Queria quebrar todos os espelhos da casa”. A busca pela recuperação da autoestima é um dos objetivos das doações das próteses. “Isso faz toda diferença no tratamento e faz toda diferença delas lutarem pela vida”, disse a gerente do Instituto do Câncer.

Para a aluna Regina Costa, de 62 anos, o curso é mais uma oportunidade de se profissionalizar na área. Ela começou a trabalhar em salões de beleza no setor da limpeza, mas gostou do que viu e passou a fazer cursos. Além disso, o lado solidário das aulas a fez incentivar as amigas a doar o cabelo na hora do corte. “Eu falo para elas [as amigas], deixa crescer, é tão lindo você dar um pedaço de você”.

O curso tem duração de três semanas, e, no último dia de aula, as pacientes voltam para receber as próteses. Mais ansioso que Valéria só mesmo o seu pai, que preferiu até esperar do lado de fora da sala até que a filha colocasse a prótese capilar.

Uma vez ajustada a peruca, seu Evaristo e dona Santa eram só sorrisos e fotos com a filha. “Ficou bom não ficou?”, disse Valéria enquanto se olhava no espelho. Ela agora pretende aposentar os lenços. Jorgiléia também aprovou o resultado. “ Estou me sentindo poderosa”.

Léia aprovou o resultado de sua prótese capilar. "Estou me sentindo poderosa" (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Curso e requisitos

O Solidariedade em Fios faz parte da Escola de Beleza do Fundo Social, do Governo do Estado de São Paulo. Para participar, segundo a coordenadora Flávia Crema, é preciso ser assistente de cabeleireiro ou cabeleireiro, e ter conhecimento de máquina de costura. As aulas duram três semanas, de segunda a sexta-feira, das 8h às 13h.

Doações de cabelo

A Escola de Beleza recebe doações de mechas de cabelo acima de 12 cm, de qualquer tipo e coloração. As doações podem ser encaminhadas pelo correio, ao Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo, para o seguinte endereço: Avenida Morumbi, 4500, 2º andar, sala 232, São Paulo, SP, Cep.: 05650-905.

E também podem ser entregues diretamente na Escola de Beleza, localizada no Parque da Água Branca, na Rua Ministro Godói, 180, Perdizes.

SERVIÇO

  • Escola de Beleza – Parque da Água Branca,
  • Rua Ministro Godói, 180, Perdizes, São Paulo.
  • Telefone: (11) 2588-5783 ou 2765-4957.

 

 

 

 

 

Fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/curso-gratuito-ensina-a-produzir-perucas-para-pacientes-com-cancer-em-sp-video.ghtml