Irrigação por gotejamento permite gastar 30% menos água nas lavouras

Produtores rurais que participam da Tecnoshow Comigo 2017, em Rio Verde, no sudoeste de Goiás, podem conhecer uma técnica de irrigação por gotejamento, que oferece uma economia de água de 30%. Especialista no assunto, o coordenador agronômico de uma empresa de soluções de irrigação, William Damas, fala sobre o assunto durante uma palestra nesta quarta-feira (5), às 13h30.

Damas explica que a tecnologia foi desenvolvida por uma empresa israelita e já é aplicada em duas propriedades rurais de Goiás, além de outras no Brasil. Segundo ele, a técnica permite economia, evita desperdícios e garante que toda a lavoura receba a quantidade apropriada de água direto na raiz.

“Por ter a aplicação de água diretamente na raiz da planta, vai ser muito mais eficiente, por ser mais eficiente demanda menos quantidade de água. Pelos métodos convencionais, como pivô central, você tem perdas, por evaporação, por exemplo, e acaba aplicando grande quantidade de água. Hoje a economia de água é de cerca de 30% em relação à irrigação tradicional. Além disso, por ser um sistema que demanda menos água, exige menos energia para bombear a água”, explicou.

Ainda comparando o método novo com o tradicional, o coordenador ressalta que o gotejamento permite alcançar uma área 40% maior com a mesma vazão de água e potência. “Se produtor tem um pivô de irrigação que atinge 32 hectares, com a mesma vazão de água e potência, conseguimos atingir uma área de 52 hectares”, exemplificou.

Segundo Damas, a área atingida pela irrigação convencional costuma ser circular, o que faz com que algumas áreas não recebam água, o que não acontece com a técnica de gotejamento, já que esta umedece todo o solo plantado, mesmo que tenha contornos irregulares.

Fertilização

O especialista pontua que outra possibilidade proporcionada pela técnica é a de aplicar nutrientes para as plantas através do sistema de gotejamento. Damas explica que é possível manter tanques com as substâncias em um sistema que insere os insumos, aos poucos, na água.

“A fertirrigação é a aplicação de nutrientes via água de irrigação. O método convencional divide toda a adubação da cultura em duas aplicações, uma de base e outra de cobertura, e pode chegar a perder 50% do que é aplicado. Com esse sistema podemos fazer a fertilização ao longo do ciclo da cultura, isso aumenta de mais a capacidade de absorção da planta, reduz perda”, afirmou.

Damas conta que o custo para implantação varia entre R$ 15 mil e R$ 20 mil por hectare, mas a produtividade é aumentada e o sistema costuma ser quitado em até seis safras.

Funcionamento

O especialista explica que a técnica é baseada em um gotejador que fica dentro da mangueira no subterrâneo e tem um sistema para evitar que qualquer resíduo entre e entupa a saída de água. Ele também apresenta uma membrana que controla a pressão da água em cada orifício. Para haver uniformidade, ela se regula, pois é um gotejador autocompensado.

“O sistema é composto por tubos gotejadores subterrâneos garantindo aplicação de água e nutrientes diretos ao sistema radicular das plantas. Os gotejadores são dispostos para deixar toda a área umedecida. Cada tipo de solo tem um tipo diferente de absorção de água. Com isso a gente determina o espaçamento dos gotejadores dentro da mangueira”, explicou.

Tecnoshow 2017

Local: Centro Tecnológico Comigo (CTC) – Anel Viário Paulo Campos, Km 7, Zona Rural de Rio Verde
Data: até 7 de abril
Horário: entre 8h e 18h
Palestra sobre irrigação por gotejamento: quarta-feira (5), às 13h30
Entrada gratuita

Fonte: http://g1.globo.com/goias/tecnoshow/2017/noticia/irrigacao-por-gotejamento-promete-gastar-30-menos-agua-nas-lavouras.ghtml