Cientistas desenvolvem método para reverter envelhecimento

Se você já quis voltar aos tempos em que era mais jovem, saiba que essa possibilidade está mais próxima do que você imagina. Uma equipe de pesquisadores do Instituto Salk de Estudos Biológicos criou um método capaz de reverter o envelhecimento de células humanas in vitro, e utilizou esse mesmo método para tratar ratos de laboratório com doença de envelhecimento precoce.

O processo desenvolvido pelos cientistas estimula determinados genes do DNA de ratos e humanos chamados de “fatores Yamanaka”. Os fatores Yamanaka regulam o desenvolvimento das células e, ao serem estimulados, fazem com que elas voltem a ser células-tronco, que são um estado embriônico a partir do qual elas podem se transformar em células de qualquer tipo.

Nos primeiros testes com os ratinhos, os cientistas estimularam continuamente os fatores Yamanaka. No entanto, isso fez com que os animais desenvolvessem tumores. Em seguida, eles testaram estimular esses fatores de modo descontínuo, mas regular: os ratinhos receberam tratamento dois dias em cada semana. Dessa vez, os resultados foram positivos.

Fonte da juventude

Para os testes, foram usados ratos com uma doença chamada progeria, que também afeta humanos. Essa doença, conhecida também como envelhecimento precoce, faz com que sintomas de envelhecimento (como enfraquecimento dos músculos, perda de agilidade mental e deterioração do sistema imunológico) comecem a aparecer cedo demais.

No entanto, com a estimulação dos fatores Yamanaka, os ratos com progeria tinham aparência mais jovem e melhor funcionamento do coração. O mais impressionante, porém, é que eles viveram até 30% mais do que ratos com progeria que não passaram pelo tratamento.

Testes também foram realizados com ratos saudáveis, e nesse caso os resultados também foram positivos. Os cientistas trataram ratos de meia idade com a mesma terapia e observaram que a capacidade de regeneração dos músculos e do pâncreas dos ratinhos melhorou consideravelmente. Embora esses sejam apenas alguns sintomas de envelhecimento, o resultado mostra que a terapia pode ser usada para melhorar a qualidade de vida de pessoas idosas.

Finalmente, células humanas também foram tratadas com esse processo numa situação de laboratório. Foi possível reproduzir nelas os mesmos efeitos positivos que os ratos demonstraram. Mas “obviamente, ratos não são humanos e nós sabemos que será muito mais complexo rejuvenescer uma pessoa”, disse Juan Carlos Belmonte, um dos principais autores do estudo.

A juventude nunca sai de você

De acordo com Paloma Martinez-Redondo, outra autora da pesquisa, “esse trabalho mostra que mudanças epigenéticas são pelo menos parcialmente responsáveis pelo envelhecimento”. Mudanças epigenéticas são alterações que fazem com que determinados genes do nosso DNA se tornem mais ou menos ativos.

Em outras palavras, estimular determinados genes do DNA pode fazer com que o envelhecimento de células – e talvez até de nossos corpos inteiros – seja revertido. “Esse estudo mostra que o envelhecimento é um processo muito dinâmico e plástico, e que portanto será muito mais suscetível a intervenções terapêuticas do que inicialmente achávamos”, disse Belmonte.

Com isso seria possível, por exemplo, criar uma pílula contendo moléculas capazes de estimular os fatores Yamanaka de algumas de nossas células. As pílulas seriam tomadas de maneira cíclica (uma a cada sete dias, por exemplo) e, dessa forma, seriam capazes de nos tornar mais jovens de novo.

Mas esse ainda é um projeto para o futuro. Os cientistas acreditam que os primeiros testes clínicos de terapias desse tipo ainda estão a cerca de dez anos de distância. Isso porque o estímulo contínuo dos fatores Yamanaka, como dito no começo, pode provocar tumores – um risco extremamente grave, como aponta a Scientific American. No entanto, é possível que, daqui a 20 anos, você possa realizar um tratamento para voltar a ser como é hoje.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/cientistas-desenvolvem-metodo-para-reverter-envelhecimento/64834